Erros de Diagnóstico: um problema subestimado pelas organizações de saúde

Pesquisas divulgadas em julho de 2019 aumentam a evidência crescente de que os erros de diagnóstico são os mais comuns, catastróficos e dispendiosos dos erros graves relacionados à assistência à saude – aqueles que resultam em incapacidade permanente e, nos piores casos, morte. A questão, no entanto, não recebe nem de longe a atenção que merece, apesar de sua prevalência e o alto preço à saúde dos pacientes – para não falar do custo financeiro. Nos EUA o custo de erros de diagnóstico é estimado em mais de US $ 100 bilhões anualmente (Newman-Toker et al., 2018).
Se os executivos da área de saúde levam a sério a mitigação de riscos, primeiro precisam entender a extensão do diagnóstico incorreto. Em seguida, eles podem liderar esforços para resolver falhas do sistema e apoiar o julgamento clínico e a tomada de decisões aprimorados em suas organizações.

O ENTENDIMENTO DE ERRO DIAGNÓSTICO
Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Johns Hopkins University e da CRICO Strategies analisaram mais de 55.000 casos de negligência com reivindicações fechadas do Benchmark comparativo nacional da CRICO Strategies (2006-2015). Eles descobriram que 1 em cada 3 casos (34%), resultando em danos graves (incluindo morte), era devido a um diagnóstico impreciso ou atrasado (Newman-Toker et al., 2019). Outras descobertas importantes da pesquisa incluíram o seguinte:

• Quase três quartos (74,1%) dos diagnósticos imprecisos ou atrasados ​​que resultam em incapacidade permanente ou morte são atribuíveis a apenas três categorias de doenças: cânceres (37,8%), eventos vasculares (22,8%) e infecções (13,5%).
• As duas condições mais prevalentes diagnosticadas erroneamente em cada categoria que resultam em danos graves são câncer de pulmão e mama (câncer), AVC e infarto do miocárdio (eventos vasculares) e sepse e meningite / encefalite (infecções).
• Somente essas três categorias foram responsáveis ​​por cerca de US $ 1,8 bilhão em pagamentos de reclamações por negligência relacionada ao diagnóstico por 10 anos.
Mais de 46% dessas alegações de negligência médica foram associadas a diagnósticos imprecisos ou atrasados, feitos em departamentos de emergência (DEs) e ambientes hospitalares, e envolveram eventos vasculares e infecções desproporcionalmente.

Também foram analisadas as causas dos erros de diagnóstico. Embora a maioria das alegações de negligência tenha citado vários fatores causais, mais de 85% daqueles que envolvem danos sérios devido a diagnósticos imprecisos ou atrasados ​​envolveram problemas relacionados ao raciocínio ou julgamento clínico. Os fatores de julgamento clínico que contribuíram para um diagnóstico perdido incluíram:

  • falha ou atraso na solicitação de um teste de diagnóstico,
  • falha no estabelecimento de um diagnóstico diferencial,
  • interpretação incorreta dos estudos de diagnóstico e
  • falha ou atraso no diagnóstico.

As falhas do sistema, encontradas em cerca de 22% das reclamações, incluíram pacientes que não receberam resultados, falha no acompanhamento de uma nova descoberta e falha ou atraso na conclusão dos testes recomendados.
OBSTÁCULOS A UM DIAGNÓSTICO PRECISO E OS RISCOS CORRESPONDENTES
Frequentemente, médicos e outros profissionais fazem o diagnóstico correto no momento certo. No entanto, o ônus para os pacientes de diagnósticos imprecisos ou atrasados ​​ainda é substancial. A melhoria é possível – e é um imperativo moral (Academia Nacional de Medicina, 2015).
Médicos e outros profissionais  enfrentam obstáculos genuínos ao fazer um diagnóstico preciso. O processo de diagnóstico envolve inúmeros sistemas e indivíduos trabalhando juntos, confiando um no outro e nos pacientes para montar o quebra-cabeça. Com mais de 10.000 doenças possíveis e mais de 5.000 exames laboratoriais disponíveis, mas apenas algumas centenas de sintomas, o desafio é formidável. A compreensão das vulnerabilidades humanas e do sistema no processo de diagnóstico é fundamental para melhorar os resultados do diagnóstico.
Erros ocorrerão, mas devemos reduzir sua frequência para reduzir o risco que os diagnósticos imprecisos e atrasados ​​representam.
É necessária uma quantidade significativa de pesquisa para entender completamente o problema e desenvolver intervenções que melhorem a qualidade do diagnóstico. Mas a melhoria dos processos de tndimento, a implementação de protocolos e diretrizes clínicas (com monitoramento da adesão e dos resultados) é primordial para avançarmos nesta área.

Conte com a expertise dos profissionais da Make Sure para ajudar a sua organização na implementação de um sistema de gestão da qualidade efetivo! contato@makesure.com.br

REFERÊNCIA: Paul L. Epner, et al. An Urgent Call for Leaders to Support More Accurate and Timely Diagnoses. Journal of Healthcare Management. Volume 64, Number 6. November/December 2019

Precisa de ajuda?

Contato

(11) 94183-8292

/

/

Rolar para cima